Home > O Que Fazemos > Programa de Conservação de Mamíferos Marinhos > Peixe-boi marinho

Programa de Conservação de Mamíferos Marinhos

Peixe-boi marinho

   

História Natural

          O peixe-boi marinho é um animal robusto, de médio porte, com até 4 metros e 600 quilos. Pele grossa, cinza, poucos pêlos finos no corpo. Nadadeiras peitorais com três ou quatro unhas, cauda arredondada e achatada em forma de remo. Olhos pequenos e focinho curto, com pelos grossos que possuem função sensorial.

 

(Ilustração de JEFFERSON et al., 1993)

 

          Ocorre apenas em águas costeiras, rios e estuários, desde a Flórida (EUA), até Alagoas, no Brasil. É uma espécie de águas rasas (até 5 metros de profundidade), onde encontra bancos de algas e fanerógamas marinhas (capim-agulha) e olhos d´água (olheiros). É considerado animal solitário, com exceção da fêmea e seu filhote, que permanecem juntos por aproximadamente dois anos. Grupos só se formam durante o acasalamento ou em locais de alimentação.

          Rios e manguezais são de grande importância para o peixe-boi marinho, principalmente para o nascimento de filhotes. As fêmeas grávidas procuram áreas calmas e rasas para dar a luz. No nordeste do Brasil, a destruição dos estuários para empreendimentos turísticos, barragens nos rios, salinas e fazendas de cultivo de camarão, têm tornado difícil a entrada das fêmeas grávidas que acabam por dar a luz em mar aberto, onde o filhote não consegue ficar perto de sua mãe e acaba encalhando. As embarcações motorizadas, principalmente as de pesca de arrasto de camarão também acabam separando a mãe do filhote e/ou capturando os indivíduos.

 

 

         Os encalhes representam hoje a maior ameaça ao peixe-boi marinho no Brasil, onde a espécie é considerada o mamífero marinho mais ameaçado de extinção do país.

 

 

          Como o número de peixes-boi na natureza é muito pequeno, é provável que a espécie desapareça do Brasil se os seus habitats não forem protegidos. No Ceará, o peixe-boi marinho ocorre apenas nos dois extremos do Estado: litoral extremo oeste, na divisa com o Estado do Piauí e no litoral leste, divisa com o Rio Grande do Norte.

          Todo ano, a Aquasis resgata uma média de três filhotes vivos. Quando não é possível juntar o filhote à sua mãe, ele é levado para o Centro de Reabilitação de Mamíferos Marinhos, no SESC Iparana, em Caucaia, no qual é minuciosamente examinado e recebe uma fórmula especial de leite. Após o período de reabilitação, eles são devolvidos à natureza, em seu local de origem. 

 

 


 

Status de Conservação

          No Brasil, o peixe-boi marinho corre um risco extremamente alto de desaparecer da natureza em curto prazo. Estimativas sugerem que existam entre 200 e 500 animais na costa brasileira, e um declínio populacional recente, bastante significativo para uma espécie de reprodução lenta e cuja distribuição é fragmentada no país, com provável isolamento genético. Em sua edição de 2008, a IUCN apresentou uma estimativa mínima populacional para o peixe-boi marinho no Brasil de cerca de 200 indivíduos (Tabela abaixo).

 

 

País

Tendência*

População mínima estimada

Bahamas

A

5

Belize

E/D

700**

Brasil

E/D

200

Colômbia

N/D

100

Costa Rica

D

30

Cuba

N/D

50

República Dominicana

D

30

Guatemala

N

50

Guiana

D

25

Haiti

N

5

Honduras

E

50

Jamaica

N/D

25

México

N

1.000**

Nicarágua

D

71

Panamá

N

10

Porto Rico

E

128

Suriname

D

10

Trindade e Tobago

D

25

Venezuela

D

25

Total (n=20 países)

 

~2.549

*Tendência: A=Possível aumento; E=Estável; D=Provável Declínio; N=não conhecido (ou devido a dados deficientes).
**As estimativas de México e Belize, podem estar superestimadas, pois a Baía de Chetumal, um dos mais importantes habitats para o peixe-boi marinho, fica na fronteira entre os dois países, podendo levar a contagens duplicadas.
Fonte: traduzido de 2008 IUCN Red List of Threatened Species. <www.iucnredlist.org>, acessado em 21 de Outubro de 2008.

 

 

Plano de Ação

          O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) lançou em 2011 o Plano de Ação Nacional (PAN) para a Conservação dos Sirênios (http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-plano-de-acao/pansirenios.pdf). O documento foi baseado nas informações colhidas com especialistas no Brasil, consolidadas na oficina de planejamento realizada no Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), na Ilha de Itamaracá (PE) em 2010.

          O PAN Sirênios reúne metas e ações até 2015, relacionando medidas para combater a destruição do habitat do peixe-boi-marinho, como o assoreamento dos rios, o desmatamento dos mangues para a construção de fazendas de camarão. Também irá combater a caça e o comércio ilegal da carne do peixe-boi-da-amazônia.

          A Aquasis foi uma das instituições convidadas a participar da reunião de planejamento do PAN Sirênios, sendo interlocutora de ações no Ceará e em outros estados do Nordeste do Brasil.

 

 

Projetos em Andamento

Projeto Manatí: O Projeto Manatí realiza ações integradas de Monitoramento de Encalhes, Resgate, Reabilitação e Educação Ambiental em prol da conservação do mamífero marinho mais ameaçado de extinção do Brasil: o peixe-boi marinho, desde 2010, com o patrocínio do Programa Petrobras Ambiental. O Projeto Manatí é desenvolvido nos Estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, com a função de resgatar e reabilitar filhotes, além de capacitar as comunidades costeiras para diminuir a degradação do habitat da espécie. Entre suas ações, o Projeto Manatí realiza: a construção de um novo centro de reabilitação para peixes-boi; campanha de informação e capacitação para atendimento a encalhes; monitoramento de praia e atendimentos a encalhes, reabilitação e soltura de mamíferos marinhos; e campanha de educação ambiental. Veja mais em http://www.projetomanati.org.br/.

 

Programa de Monitoramento de Sirênios: O Programa de Monitoramento de Sirênios (PMS), com início no segundo semestre de 2011, é desenvolvido na bacia Potiguar, e tem como principal objetivo incrementar o conhecimento científico sobre a população de peixes-boi marinhos que ocorre na região compreendida entre o litoral leste do Estado do Ceará e o litoral noroeste do Estado do Rio Grande de Norte. Serão realizados dois principais estudos: a identificação da área de vida e utilização do habitat, através do método de captura e marcação com rádios-transmissores; e a estimativa do tamanho populacional e distribuição da espécie, através da contagem de indivíduos em sobrevoos utilizando o método de censo aéreo. O emprego destas duas metodologias em conjunto deverá aumentar o número de informações essenciais para o conhecimento da espécie nesta região. O envolvimento e esclarecimento da comunidade local é imprescindível, portanto estimulado por meio de palestras, reuniões comunitárias, encontros com lideranças e distribuição de folders.

 

 

Parceiros dos projetos com peixe-boi marinho: Serviço social do comércio – SESC/Ceará, Federação do comércio do estado do Ceará - FECOMERCIO, Centro mamíferos aquáticos – CMA/ICMBIO, Projeto Cetáceos da Costa Branca/UERN, Rede de encalhe e informação de mamíferos aquáticos do Brasil - REMAB, Banco do Nordeste - BNB, Recicriança/Aracati, Grupo de Boi e Reisado Filhos de Quixaba/Aracati, SESC Ler Aracati,  Sala de ciências – SESC Fortaleza, APA Delta do Parnaíba – ICMBIO, Comissão Ilha Ativa/PI,  Care/PI, Fundação Brasil Cidadão/Icapuí, Associação Aratu/Icapuí, Capitania dos Portos do Ceará, Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará, Companhia de Polícia Militar Ambiental do Ceará, BPTUR Ceará, Defesa Civil do Estado do Ceará, Projeto Tamar/Almofala, Prefeitura Municipal de Icapuí, Prefeitura Municipal de Aracati, Prefeitura Municipal de Cajueiro da Praia, Câmara dos Vereadores de Aracati, Câmara dos Vereadores de Icapuí, Rádio FM Educativa de Icapuí, Rádio Canoa FM Aracati (Cristiano, Bilau e Delma), Grupo de jovens FJAF (Força Jovem Atravessando Fronteiras), Escola de Ensino Fundamental Professora Maria Edilce Barbosa,  Escola de Ensino Fundamental Professora Carlota Tavares de Holanda, Escola de Ensino Fundamental Professora Mizinha, Escola de Ensino Fundamental Professora Raimunda Lacerda Damião, Escola de Ensino Fundamental Horizonte da Cidadania, Escola de Ensino Médio Professor Gabriel Epifanio dos Reis, Grupo Terra e Sonhos, Grupo de Teatro Flor do Sol (Carlinha), Janaína – Associação Aratu e SEDEMA, Eliabe – Líder Comunitário de Ponta Grossa, Grupo de Jovens Amigos do Meio Ambiente, Geraldo – Oh Linda Pousada, Pousada o Pescador, Zenilde – Estação Ambiental Mangue Pequeno, Escola Municipal de Ensino Fundamental Antonieta Cals, Escola Municipal de Ensino Fundamental Heriberto Porto, Escola Municipal de Ensino Fundamental São Francisco

 

 

Imagens

Peixe-boi marinhoPeixe-boi marinhoPeixe-boi marinhoPeixe-boi marinho